Entreposto - Ceagesp, Ceasa - Índice Ceagesp recua 0,96% no mês de julho

Índice Ceagesp recua 0,96% no mês de julho

Notícias

O índice de preços da CEAGESP encerrou o mês de julho com queda de 0,96%. Indicador acumula alta de 1,17% no ano e 14,5% nos últimos 12 meses. O setor de verduras caiu acentuadamente em razão da demanda retraída e influenciou os resultados do indicador. Caso não ocorram geadas intensas nas regiões produtoras, os preços praticados deverão seguir em queda nos próximos meses.

Em julho, o setor de frutas subiu 3,16%. As principais altas foram nos preços do mamão papaya (92%), do mamão formosa (44,2%), do limão taiti (26,3%), do figo (22%) e da ameixa estrangeira (21,8%). As principais quedas ocorreram com o coco verde (-16,3%), o melão amarelo (-13%) a laranja pera (-9,3%), a melancia (-6,) e a banana prata SP (-6,3%).

O setor de legumes registrou queda de 3,70%. As principais reduções ocorreram com a cenoura (-14%), com o pimentão verde (-13,6%), com o tomate (-12,9%), com a berinjela japonesa (-10,8%) e com a beterraba (-9,6%). As principais altas foram registradas na abobrinha italiana (14,6%), no pimentão amarelo (12,9%), na vagem macarrão (10,8%), na abobrinha brasileira (10,3%) e no quiabo (9,1%).

O setor de verduras caiu 23,96%. As principais quedas foram do coentro (-64,5%), da couve (-42,4%), da couve-flor (-39,5%), da rúcula (-37,9%), do rabanete (-34%) e da alface crespa (-32,2%). Não houve elevações significativas no setor.

O setor de diversos subiu 0,76%. As principais altas ficaram por conta da cebola nacional (36,5%), amendoim (20%), coco seco (7%) e batata lavada (3,7%). As principais quedas foram da batata Asterix (-20,8%), do alho nacional (-8,3%), dos ovos brancos (-5,2%) e vermelhos (5%) e do alho chinês (-4%).

O setor de pescados caiu 0,37%. As principais quedas foram da anchova (-40,1%), da tainha (-22,3%), da abrótea (-13,9%), do curimbatá (-8,9%) e da cavalinha (-6,9%). As principais altas foram do atum (18,6%), da cavalinha (10%), da lula (9,3%) e do robalo (8,5%).

No período de janeiro a julho de 2019 foram comercializadas no entreposto de São Paulo cerca de 1.839.443 toneladas ante 1.794.420 negociadas no mesmo período de 2018. Elevação de 2,51% ou 45.023 toneladas.

Duas ocorrências em 2018 contribuíram com o crescimento em relação a 2019, quais sejam: Greve dos caminhoneiros e dos funcionários da CEAGESP, quando não houve recolhimento das Notas fiscais de entradas.

A tendência para os meses de agosto e setembro é de manutenção da quantidade ofertada nos mesmos patamares e redução dos preços praticados em razão da demanda retraída neste período.

Este site utiliza cookies para ajudar a disponibilizar os respectivos serviços, para personalizar anúncios e analisar o tráfego.
As informações sobre a sua utilização deste site são partilhadas com a Google. Ao utilizar este site, concorda que o mesmo utilize cookies. Ler Política de Privacidade

Eu entendi.